Startup lusa usa plástico dos oceanos para criar máscaras de proteção

Por: País ao Minuto

plásticos dos oceanos em máscaras de proteção
Foto: Mitchell Luo

Uma ‘startup’ portuguesa incubada no Parque da Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC), designada Skizo, está a utilizar o plástico encontrado no oceano para produzir máscaras de uso profissional e comunitário de proteção, revelou hoje o responsável.

Em declarações à agência Lusa, André Facote, fundador da ‘startup’ Skizo, explicou hoje que no primeiro aniversário da empresa, em março de 2020, se viu “desafiado” pela pandemia da covid-19.

Com as vendas em território nacional, que representam 60% da faturação da ‘startup’, paradas “durante dois meses”, a empresa, que transforma o plástico recolhido nos oceanos em calçado personalizado decidiu “arregaçar mangas” e “reinventar-se”.

“Fomos desafiados, porque tínhamos pessoas perto que tinham habilidade de costura, mas que não tinham um prato de sopa para comer. Foi aí que iniciamos a produção de máscaras”, referiu.


Esta é uma curadoria de conteúdo feita pela Reed Exhibitions sobre o setor. Para saber mais sobre o assunto, leia o conteúdo produzido por País ao Minuto.